A difícil escolha da creche

Papo de pracinha (*)

1444722355_88O bebê nasceu, já passou o momento mais difícil dos primeiros meses, o encantamento dos pais cresce a cada dia, mas cresce também a preocupação com o que está por vir. A licença-maternidade vai acabar, logo logo a mãe estará trabalhando. O pai nem teve licença, só uma semaninha quando o bebê nasceu! O que fazer? Creche ou babá? Deixar com a vovó? Do que meu bebê precisa para se sentir bem, feliz e se desenvolver plenamente?

A decisão pela creche, em maior ou menor grau, vem sempre carregada de sofrimento e insegurança. Afinal, é a primeira separação mãe-bebê após os nove meses de gestação e os primeiros meses de intensos cuidados! Mas vamos lembrar que também é um momento importante e necessário para a mãe, de retomada de suas atividades produtivas (para além de cuidar do seu bebê), e para a criança pode significar uma oportunidade de ampliar seus horizontes, já que passará a interagir com outras crianças e adultos, explorar outros espaços e objetos, e participar de atividades variadas.

Mas como escolher a creche? Qual a melhor? Qual o custo? Poderei pagar? Período parcial ou integral? Perto de casa ou perto do trabalho da mãe ou do pai?

Muitas famílias já fazem essa escolha no período da gestação. Hoje, conseguir uma vaga não é tão simples, é preciso que a reserva seja feita com antecedência. É assim que funciona nas creches privadas. Nas públicas, a questão é ainda mais complicada, já que a oferta de creches é muito pequena diante da demanda existente. A inscrição é feita em uma das creches da rede e depois é preciso sorte, uma vez que as vagas são preenchidas por meio de sorteio.

Visitar creches para observar o espaço e conversar sobre a proposta é um caminho fundamental para se fazer uma boa escolha. Mas o que observar? Para responder a essa questão, é preciso primeiro responder a outra: o que estamos buscando para o nosso(a) filho (a)? Continuar lendo A difícil escolha da creche