É preciso desacelerar a rotina das crianças!

(*) Papo de Pracinha

texto_proprioEscola – natação – futebol – ginástica olímpica – inglês etc. etc. Que atividades temos hoje, antes (ou depois) da escola?  Corre pra cá, corre pra lá, “se arruma rápido senão vai chegar atrasado!”, “hoje não dá tempo de brincar, tem natação”…  No final do dia, crianças exaustas, muitas vezes estressadas.

O que leva os pais a encherem os horários das crianças no contraturno escolar, cada vez mais precocemente, com inúmeras atividades? Em nome de quê organizam assim a vida das crianças? O que pretendem com isso? Que implicações isso traz? Como medir o que é bom ou não para as crianças? Será que sobra tempo e espaço para elas escolherem o que querem fazer? Como fica o tempo de brincar? E o direito de não fazer nada, de não ser dirigido pelo adulto? 

As crianças estão tendo o seu tempo de brincar roubado

 O filme “A invenção da infância”, dirigido por Liliana Sulzback, apresenta depoimentos de crianças e adultos de diferentes e desiguais realidades brasileiras: de um lado, nas famílias de baixo poder aquisitivo e em contextos onde o índice de mortalidade infantil é altíssimo, crianças que trabalham desde cedo para garantir a sobrevivência, perpetuando o ciclo da pobreza e da miséria; de outro, pertencentes a famílias com melhores condições financeiras e que investem na educação dos seus filhos, crianças que assumem inúmeras responsabilidades no cumprimento de uma série de atividades extraescolares, escolhidas pelos adultos em função de seus ideais sociais: cursos de línguas, balé, natação, tênis etc.  O primeiro grupo de crianças expõe-se muitas vezes a riscos e condições inadequadas, cumprindo uma rotina pesada, enquanto o segundo grupo compromete-se com diversas atividades, que ocupam seu tempo semanal, com uma carga horária puxada. Em que pesem as profundas desigualdades entre os dois grupos no que se refere ao acesso à saúde, educação, habitação e aos bens culturais, há algo comum na vida de todas essas crianças: o tempo que lhes é roubado de ser criança, de viver com plenitude a infância!

O trabalho infantil, proibido pela Constituição Federal, é um problema gravíssimo que enfrentamos no nosso país e precisa ser erradicado o quanto antes. A idade mínima para o trabalho é de 16 anos, sendo permitido, entretanto, que aos 14 anos o adolescente seja aprendiz. Uma série de estudos e pesquisas têm mostrado os prejuízos que o trabalho infantil traz para a vida de uma pessoa. Mas esse é um tema para discutirmos em outro momento. Hoje, queremos falar da realidade que afeta esse segundo grupo de crianças: agendas semanais lotadas e infâncias institucionalizadas.

Agendas lotadas: em nome de quê?

Há um discurso presente na nossa sociedade competitiva de que a criança precisa se preparar para o futuro, para o mundo do trabalho e, para tanto, não basta a escola, é importante que ela frequente outras atividades para desenvolver um conjunto variado de habilidades.  É aí que entram os cursos de línguas, o esporte, o balé, entre outras possibilidades, compondo essa formação, supostamente “ampla”. Quanto mais cursos, aparentemente mais bem preparadas estariam as crianças. Será?

Junta-se a isso, a opção de muitos pais por escolas que antecipam a educação formal, demandando das crianças, ainda pequenas, com 3, 4, 5 anos, permanecerem a maior parte do tempo paradas realizando atividades relacionadas à aprendizagem da leitura e da escrita, bem como de noções matemáticas, muitas vezes, totalmente desprovidas de sentido para elas. Roubam-lhes, assim, seu tempo de correr, pular, brincar, descobrir e explorar livremente o mundo, junto com seus pares!

Sabemos que muitas instituições chegam a diminuir o tempo de “recreio” para garantir mais tempo para a “grade curricular. Não estamos querendo dizer que atividades estruturadas não sejam importantes para as crianças. Mas elas não podem impedir o tempo do brincar livre! Brincar sem a direção do adulto, contribui para a autonomia das crianças, que aprendem a fazer escolhas, avaliar os riscos de seus movimentos e ações, descobrir seus limites e possibilidades.

Os pais frequentemente se apoiam no discurso do investimento na formação dos filhos, de querer dar o melhor para eles. Mas o que é melhor para as crianças? É disso que as crianças precisam? Ou essa é uma forma de os pais compensarem o pouco tempo que compartilham com os filhos? Ou de se projetar nos filhos? (Já vimos pais em competição de natação dizerem para os filhos quando não correspondem a suas expectativas: “Você não é meu filho!”).

Por que é retirado da rotina das crianças, cada vez mais cedo, o tempo da brincadeira, o tempo livre?

Brincar é uma necessidade essencial na vida das crianças

 O brincar é o principal modo pelo qual as crianças interagem com o mundo, contribuindo para o conhecimento de si mesmas, para o estabelecimento de relações e vínculos com outras pessoas, adultos e crianças, e para o conhecimento da realidade a sua volta, constituindo uma dimensão fundamental no desenvolvimento e na formação cultural das crianças. Desenvolve a imaginação, a criatividade e muitos outros aspectos cognitivos, físicos e emocionais.  Mas parece que, aos olhos dos adultos, a brincadeira, que não é propriamente uma atividade “produtiva”, cujos resultados possam ser medidos, é algo menos valorizado na agenda das crianças. A brincadeira se restringe ao tempo que sobra em meio a uma grade horária lotada, cheia de compromissos e responsabilidades.

É preciso garantir o direito à brincadeira, se não queremos produzir crianças estressadas precocemente e com déficits acumulados: de natureza (brincar ao ar livre promove o contato da criança com a natureza), de criatividade, de imaginação, enfim, de felicidade!

Não fazer nada não é perda de tempo

O não fazer nada ajuda a gerar ideias, coloca a mente em movimento criativo, incentiva a imaginação e a curiosidade, permite o conhecimento de si mesmo. Como ter espaço para a criação, a invenção de brincadeiras, se o tempo da criança estiver totalmente regrado, institucionalizado, ocupado com atividades dirigidas? A rotina acelerada das crianças vai criando ansiedade, muitas vezes, levando-as a demandarem atividade atrás de atividade, mesmo no tempo em que poderiam estar livres. É comum vermos crianças que mal encerram um programa no final de semana, quererem emendar outra atividade. Ao sair da casa de um amigo com quem passaram o dia, imediatamente perguntam aos pais: quando chegarmos em casa posso ver um filme na televisão? Posso jogar no tablet? Posso chamar um amigo (vizinho) para brincar comigo?

É importante incentivar a criança a brincar sozinha desde cedo, a buscar fazer coisas de que goste, a fazer suas próprias escolhas, a motivar-se, a criar novas brincadeiras.

Assim, convidamos vocês a se juntar a nossa campanha por mais natureza e mais tempo de brincar livre na vida das crianças! Precisamos desacelerar a rotina delas, proporcionando-lhes mais experiências de brincadeira, de fruição, de exploração dos elementos da natureza através do corpo e da imaginação! Junto com isso, também não podemos nos esquecer: menos tempo de eletrônicos! As tecnologias digitais estão aí para serem usadas, é claro, as crianças também aprendem e se divertem com elas, mas usá-las por tempo prolongado, tira das crianças a energia criativa que as impele a brincar e buscar novas experiências lúdicas. E mais: nós também, adultos, pais, avós, babás, titios e titias precisamos desligar nossas telas temporariamente para poder compartilhar de forma mais inteira o tempo em que estamos com as crianças! Vamos, também nós, desacelerar?

(*) Angela Borba e Maria Inês de C. Delorme

Você pratica uma educação inclusiva com suas crianças: não sexista, não racista e não homofóbica?

(*) Papo de Pracinha

  1. Menino e menina participam da vida da família, podem cozinhar, ajudam na arrumação dos brinquedos e dos espaços onde brincam?
  2. Depois das atividades escolares a menina fica em casa ajudando no serviço doméstico e o menino pode sair para brincar?
  3. Seu filho pode chorar e apresentar medos sem que isso o desqualifique como pessoa?
  4. Sua filha pode jogar futebol e brincar livremente junto com meninos? As meninas também podem ir a estádios de futebol e defender um time, por exemplo?
  5. Seu filho ou sua filha podem usar roupas e adereços de todas as cores?
  6. Você e suas crianças convivem sem preconceitos com casais homoafetivos?
  7. Você pensa que homossexualidade seja uma doença que contamine pessoas por meio de convivência?
  8. Você aceita ver seu filho beijando os amigos e as filhas fazendo o mesmo, com outras meninas?
  9. Você respeita as diferenças entre meninos e meninas sem desqualificar um ou outro? Meninas são “frágeis e doces”, enquanto os meninos são “maliciosos e aproveitadores”?
  10. Você faz comentários jocosos e desrespeitosos sobre comportamento de homens e de mulheres, suas etnias, orientações sexuais e comportamentos na frente de seus filhos?

Você tem clareza sobre como pensa e educa seus filhos, nessas questões? Quer conversar mais? Vem com a gente, procure a turma do Papo de Pracinha.

 

Educar com liberdade não é educar sem limites

(*) Papo de Pracinha

texto_proprioCostumamos ver a criança como um ser frágil, imaturo, inocente e, também, incompetente. Ainda que a criança, nos seus primeiros anos de vida, seja dependente do adulto e tenha uma fragilidade incontestável, esse olhar da “falta” nos leva a não perceber as reais possibilidades e capacidades da criança. Estamos sempre buscando o que ainda lhe falta no caminho evolutivo para se tornar adulta: ela ainda não anda, não fala, não lê, e por aí vai. Mas o que já faz? Como enxerga o mundo ao seu redor? O que compreende daquilo que falamos e fazemos com ela?

Nós, adultos, tentamos explicar a infância com nossos saberes supostamente bem construídos e, assim, criamos/usamos escalas, grades e normas para medir o seu desenvolvimento e, também, inventamos/adotamos diferentes métodos para educá-la. Esse olhar da incompletude, que vê a criança prioritariamente por aquilo que lhe falta para se tornar um adulto racional é responsável por um projeto de educação que apressa o percurso da criança, antecipa aquilo que ela pode ou não fazer, programa os seus passos e conhecimentos a serem adquiridos, enquadra comportamentos, tudo isso na busca de torná-la um sujeito competente e produtivo.

No contexto escolar, esse projeto tem algumas características que sobressaem, com maior ou menor grau de intensidade, de acordo com a proposta institucional em questão: a relação vertical e autoritária dos adultos em relação às crianças, a definição de etapas progressivas a serem seguidas, a cobrança de uma disciplina rígida que garanta a ordem, as punições pelo não cumprimento das regras e ordens dos adultos, a ausência de voz e de participação das crianças, a transmissão (ou despejo?) de conteúdos (muitas vezes sem nenhum sentido). No âmbito da educação familiar, sobressai o mesmo modelo unilateral e vertical, em que apenas os adultos têm voz e a criança precisa se submeter ao que eles escolhem, desejam e organizam para elas.

Mas existem outras formas de se compreender as crianças que se desviam dessa visão e que, ao contrário da “falta”, revelam a potência da criança e as suas formas  próprias de pensar, sentir e agir.  Há estudos e teorias no campo da psicologia, sociologia, antropologia e educação que têm como base a confiança na capacidade da criança e a compreensão de que esta é um sujeito da cultura e não um ser meramente biológico a ser “dissecado” em etapas progressivas e universais de desenvolvimento. Tais conhecimentos nos ajudam a questionar a ausência de voz e de participação das crianças nas práticas escolares e familiares a elas dirigidas.

Essa visão da criança como sujeito potente e participante do mundo em que vive sustenta modelos de educação que, geralmente, enfatizam os seguintes princípios: a liberdade e a autonomia das crianças, a participação e o respeito às suas formas próprias de expressão e de pensamento. Mesmo considerando que, nessa categoria, que vamos chamar aqui de “escolas alternativas ao modelo tradicional”, existam diferentes perspectivas teóricas e práticas de educação, podemos identificar eixos comuns nas suas propostas, por exemplo:  uma relação mais democrática entre adultos e crianças e, também, um trabalho com os conhecimentos que seja mais contextualizado e conectado com interesses e conhecimentos próprios das crianças.

Algumas famílias que compartilham dessa outra visão de criança buscam escolas que ofereçam aos seus filhos oportunidades de brincar livre, expressar-se em diferentes linguagens, construir conhecimentos significativos e exercer o seu potencial criativo. Acontece que o leque de opções nessa linha não é grande, tornando difícil essa escolha, principalmente, quando é preciso levar em conta, além da proposta pedagógica, fatores como valor financeiro e distância de casa. Além disso, há outro aspecto que entra em jogo na escolha de uma proposta mais democrática de educação, que é a dificuldade percebida em muitas dessas escolas de colocar em prática a liberdade como eixo do trabalho com as crianças. Não é incomum que, nessa busca de construir práticas que atendam aos princípios de liberdade, respeito e  participação das crianças, o trabalho educativo se apresente pouco estruturado e a  liberdade seja confundida com ausência de limites. Ao se depararem com um trabalho “solto”, com contornos pouco claros para as crianças e para os adultos, os pais ficam desencorajados de fazer a escolha por essa proposta.

Efetivamente, um trabalho em que a liberdade é priorizada mas os limites estão ausentes peca por não oferecer às crianças as referências necessárias para que possam criar com confiança e, assim, expandir as suas possibilidades de agir e pensar livremente. Mas como educar com liberdade e ao mesmo tempo com limites claros para as crianças, sem ferir o respeito a elas como sujeitos e cercear as suas possibilidades de autonomia e participação? Que limites seriam esses? Qual a relação entre liberdade e limites? Que tipo de participação a criança pequena pode ter nas escolhas e rotinas da sua vida cotidiana, na escola ou na família? É possível construir a autonomia da criança desde pequena?

Nós do Papo de Pracinha temos algumas reflexões para expor, sobre isso. Mas gostaríamos de dialogar com as suas opiniões: você já viveu ou consegue se colocar nesse conflito no que diz respeito à escolha da escola para o seu filho, entre a opção de uma escola mais tradicional e uma escola que proporcione maior liberdade e autonomia para as crianças? Que aspectos entram em jogo nessa escolha? Que questões você levanta em relação a essas diferentes práticas educativas?

Vamos lá? Não deixem de manifestar seus pontos de vista, questionamentos ou experiências vividas, suas contribuições serão conteúdo do nosso próximo texto. Participe!

(*) Angela Borba e Maria Inês de C. Delorme